Projectos

HOMEEnglish
Relações de Portugal com a Pérsia durante a União Ibérica. Os "Comentários" de D. Garcia de Silva y Figueiroa. Descrição

Durante a União Ibérica (1580-1640), as relações entre o Estado Português da Índia e a Pérsia conheceram desenvolvimentos importantes. Os monarcas espanhóis tentaram cooptar os Safávidas para uma aliança estratégica contra o Império Otomano, despachando sucessivas embaixadas para a corte persa. Entretanto, a ascensão de Xá ‘Abbas (r.1587-1629) ao poder coincidiu com a chegada ao Oceano Índico de potências europeias rivais dos Portugueses, nomeadamente os Ingleses, que desde cedo procuraram estabelecer relações com a Pérsia.

A embaixada de D. Garcia de Silva y Figueroa à Pérsia, que decorreu entre 1615 e 1624, insere-se neste contexto mais vasto. Os resultados da embaixada não foram brilhantes, pois ela desenvolveu-se num ambiente duplamente hostil: enquanto espanhol, o embaixador não encontrou um acolhimento amigável da parte das autoridades de Goa; e a sua postura de altivo aristocrata espanhol não parece ter sido apreciada nem na corte Safávida, então em processo de ruptura com Farangis portugueses, nem junto das comunidades de missionários portugueses desde longa data estabelecidas na Pérsia.

O embaixador, sem obter quaisquer resultados significativos, viria a falecer em 1624, na viagem de regresso a Portugal. Silva y Figueroa, contudo, foi um diarista verdadeiramente compulsivo, e ao longo da sua missão de vários anos, para além de redigir um alargado conjunto de missivas diplomáticas, escreveu uma longuíssima relação de viagem, os "Comentarios", que apenas seria publicada em 1903-1905 em Madrid. Publicada numa edição reservada, a obra pouco circulou, e nunca mais voltou a ser editada, sendo praticamente desconhecida da historiografia portuguesa. E contudo, os "Comentários" versam, por um lado, assuntos de interesse português ou luso-persa, enquanto, por outro lado, constituem um vasto repositório de dados sobre as regiões visitadas pelo seu autor. Uma síntese do respectivo conteúdo revelará o extraordinário valor documental da obra: o livro I (vol.1, pp.1-125 da nova edição do CHAM) relata as peripécias de uma viagem marítima entre Lisboa e Goa; o livro II (vol.1, pp.127-217) descreve a vida em Goa; o livro III debruça-se sobre Mascate e Ormuz (vol.1, pp.219-268); os livro IV, V, VI e parte do VII (vol.1, pp.270-394 e vol.2, pp.1-449), para alem de relatarem as peripécias da embaixada, descrevem as peregrinações de Silva y Figueroa por territórios da Pérsia, registando ainda valiosas informações sobre a Ásia Central; parte do livro VII e o livro VIII (vol.2, pp.451-620) registam o regresso a Goa e a viagem de volta a Portugal.

Em suma, os "Comentarios" de D. Garcia de Silva y Figueroa configuram uma fonte de excepcional importância para a história do Estado da Índia no período da União Ibérica, e sobretudo para a história das pouco estudadas relações que a Coroa Ibérica, a partir de Goa, manteve com a Pérsia Safávida.

Objectivos

O projecto visava a tradução para português dos “Comentarios” de D. Garcia de Silva y Figueroa (extenso manuscrito seiscentista conservado na Biblioteca Nacional, em Madrid), acompanhada de anotações e estudos. Contudo, o júri de avaliação do projecto considerou que faria mais sentido, do ponto de vista da divulgação internacional, publicar os “Comentarios” na língua original (castelhano). Este objectivo foi assumido pela equipa de investigação. O embaixador Silva y Figueroa, conduziu entre 1614 e 1624 uma embaixada luso-espanhola à Pérsia; foi um dos mais argutos e prolixos observadores do Estado Português da Índia e da Pérsia Safávida. A sua obra monumental continuava perfeitamente desconhecida em Portugal, pelo que outro dos objectivos do projecto, para além da publicação do manuscrito dos “Comentarios”, envolvia a discussão da obra, em workshops internacionais, e a respectiva divulgação, através de comunicações a reuniões científicas e de publicações diversas. 

Código: PTDC/HAH/69734/2006

Início: 2006

Duração: 36 meses

Investigador Principal: Rui Manuel Loureiro (CHAM)


Instituições
Entidade(s) Financiadora(s)
- Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Unidade de Investigação Promotora
- Faculdade de Ciências Sociais e Humanas / Universidade Nova de Lisboa

Unidade de Investigação Principal
- Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa | Universidade dos Açores