Seminário da Linha Temática 19.05.2021
Temática Teoria e Metodologia
15h00 | online - ZOOM Entre línguas, que nação? Um diálogo em torno do projecto de investigação «A Nação Traduzida. Ecologias da tradução na Monarquia espanhola, 1668-1836».

 

A língua é demasiado importante para ser deixada nas mãos dos linguistas... Os historiadores que lidam com a Monarquia de Espanha estão conscientes da sua importância, mas não têm em conta esta centralidade, estando mais preocupados com a língua como um incitamento ao método para a sua própria profissão a partir de uma certa viragem linguística. Mas é mais do que isso. E é especialmente assim para a reta final de uma modernidade como a espanhola, em que a questão se cruza com a da condição intensamente contingente do projecto da própria nacionalidade.

Nesta sessão, o objectivo é prestar atenção, como laboratório inicial de abordagem, à diversidade de línguas em que a pesquisa, invenção e articulação de um sujeito «nacional» tem de se desdobrar, e à exploração do factor de contacto que a actividade de tradução, tão próxima da de autorização e institucionalização, poderia implicar. Depois de 1668, a contingência da noção, ainda não uma ideia, nacional, é talvez mais intensa do que noutros casos europeus - aos quais a dimensão americana da matéria acrescentará um tom dramático elevado devido à sua natureza arrítmica.

Fá-lo em torno de dois eixos fundamentais: primeiro, matrizes disciplinares originais e outras derivadas em que a actividade de tradução desempenha um papel impulsivo essencial; e segundo, marcos inflexivos que marcam o ritmo desta (des)construção da nação até 1836, com uma inflexão intermédia, "39ca. 1770", marcado não só pela realização de uma gramática normativa que é o contraponto de um programa de reformas, mas também pela aquisição de uma auto-imagem sobre a actividade de tradução.

 

Sessão realizar-se-á em Espanhol.

 

 

Comissão Organizadora

Pablo Sánchez León (CHAM)

 

Organização

CHAM / NOVA FCSH