Da escrita da presença portuguesa nos espaços asiáticos (séc. XVI): reeditando os seus autores

 

 

 

Investigadora Principal   .   Ana Paula Avelar (CHAM)

 

 

Instituições

Unidade de Investigação

CHAM - Centro de Humanidades
 

Parcerias

Imprensa Nacional-Casa da Moeda

 

 
 

Ao longo do século XVI várias foram as obras produzidas em Portugal que narraram a presença portuguesa pelos espaços extra-europeus. Os seus autores procuravam dar conhecer as novas realidades. As modalidades descritivas de que se serviram foram distintas, pelo que nelas encontramos, desde a cronística da expansão como a História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses de Fernão Lopes de Castanheda, ao relato de viagem de Duarte Barbosa ou de Tomé Pires, passando pelos tratados como o de António Galvão ou pelos textos que se dedicaram à descrição da flora local como os Colóquios… de Garcia da Orta.

 

Obedecendo a contextos epocais precisos, frequentemente estas diferentes escritas de viagem têm sido objecto de consulta e divulgação ao longo dos séculos. Procuramos com este projecto, para além de evidenciar os círculos culturais alargados em que as diferentes obras foram produzidas, historiografar a sua recepção, assinalando a sua importância na cultura portuguesa.

 

Objectivos

FASE A | Conclusão da republicação da obra de Fernão Lopes de Castanheda pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda

 

Após a saída do primeiro volume anotado da obra de Fernão Lopes Castanheda. A saber:

 

Volume II - referente aos segundo e terceiro livros da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses cuja estrutura comportará uma breve introdução, onde será efectuado um breve enfoque sobre questões que se prendem com os textos agora apresentados e uma explicação breve do tipo de anotação que foi sendo elaborada ao texto e os planos se o segundo livro da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses (impressão de 1552) e o terceiro livro da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses (impressão de 1552) com as respectivas  notas  e glossários.

 

Volume III - referente aos quarto, quinto e sexto livros da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses, cuja estrutura comportará uma breve introdução onde se enfatizarão as questões que se prendem com os textos agora apresentados e explicar-se-á o tipo de anotação que foi sendo elaborada ao  longo do texto. Como no anterior volume esta introdução é subsidiária das anteriores. A esta introdução segue-se o quarto (1553) quinto (1553) e sexto (1554) livros da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses (impressão de 1553) e as respectivas notas e glossários.

 

Volume IV - referente aos sétimo e oitavo livros da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses e aos capítulos conhecidos do nono livro. A estrutura seguida comportará uma breve introdução onde se esboçarão as questões que se prendem com os livros editados e o tipo de anotação efectuada. Como acontece nos anteriores volumes esta introdução enquadrará o texto contemplado neste volume. De seguida incorporar-se-ão os sétimo e oitavos livros da História do Descobrimento e Conquista da Índia pelos Portugueses (impressão de 1553), bem como os capítulos conhecidos do nono livro e respectivas notas e glossários.

 

FASE B | Edição actualizada e com anotações históricas do Livro… de Duarte Barbosa

 

Importa ter em atenção que as edições que existem inscrevem-se, na sua quase totalidade, na republicação da 1ª edição em língua portuguesa (Academia das Ciências, 1812), não possuindo o enquadramento analítico que esta obra merece no quadro da produção historiográfica portuguesa do século XVI, à luz daqueles que são os mais recentes estudos desenvolvidos nesta área. A única excepção é a edição crítica de Maria Augusta Veiga e Sousa, publicada pelo Instituto de Investigação Científica e Tropical, 2 vol.s (1996- 2000), a qual, ainda que confronte os vários manuscritos e impressos conhecidos do texto, não é acessível a um público não académico, pois oferece a transcrição da grafia original. Por outro lado, esta mesma edição não oferece a anotação histórica que, para além da fixação do texto com actualização da grafia, este projecto se propõe realizar.

 

A edição da obra comportará uma introdução onde se contextualiza historicamente a produção desta narrativa. Biografar-se-á o seu autor, evidenciando-se como este discurso serviu de fonte a textos portugueses e foi incorporado em compilações europeias que correram na Europa de Quinhentos. Enunciar-se-ão as opções para a fixação do texto, tendo como base de trabalho fundamentalmente a edição crítica de Maria Augusta Veiga e Sousa e a 1ª edição desta obra em língua portuguesa (edição de 1812). Expor-se-á igualmente uma síntese que apresente a repercussão que a obra teve no seu tempo. De seguida incorporar-se-á o texto de Duarte Barbosa, fixado com a grafia actualizada e com notas históricas. Estas contextualizarão historicamente os temas tratados, sinalizando-se as divergências fundamentais relativamente ao texto fixado, tendo em atenção os vários manuscritos e impressos conhecidos.

 

 
Equipa
 

 

 

Ana Paula Avelar    .    Coordenadora

 

Armanda Paula Martins


Filipa Geirinhas


Manuel Lobato


Vítor Luís Gaspar Rodrigues (CH / FLUL)