V Ciclo de Conferência24.02.2022
Literatura Escrita por Mulheres
18h00 | Biblioteca Nacional de Portugal &«Edite Soeiro, uma força do jornalismo e uma vida literária», por Carla Baptista (Universidade NOVA de Lisboa)

 

Esta comunicação visa dar a conhecer a vida, a figura e a obra jornalística de Edite Soeiro, bem como estabelecer as ligações que o seu amplo legado jornalístico – disperso em crónicas, entrevistas e reportagens escritas ao longo de 57 anos de carreira em vários jornais e revistas, incluindo também uma passagem de 30 meses pela editora Ulisseia – possui com a literatura. Nascida em 1934 em Angola, começou a trabalhar aos 16 anos no bissemanário O Intransigente, com sede em Benguela. Fixou-se em Lisboa em 1962, tendo-se apresentado na sede da revista Flama com um molhe de crónicas debaixo do braço. O diretor, Silva Costa, gostou desse cartão de visita e contratou-a. Foi na Flama que Edite Soeiro ganhou visibilidade como repórter. Dois grandes trabalhos destacam-se no conjunto deste período: a cobertura doas cheias na região de Lisboa em 1967 e dos Jogos Olímpicos do México em 1968. Daí passou para a direção da revista Notícia, também um caso muito singular no panorama da imprensa portuguesa, já que se tratou de uma revista com sede em Angola, fundada em 1959 e que a partir de 1966 passou a ter uma “edição metropolitana”. Edite Soeiro integrou e chefiou a redação da revista em Lisboa, até ao seu fecho, em 1972. Um dos seus orgulhos profissionais passa por uma grande reportagem sobre a emigração portuguesa em França e na Alemanha, publicada em várias edições d’ Notícia. Daí, passou para a chefia de redação da revista Flama, sendo um dos poucos casos de mulheres que ocuparam cargos de redação em órgãos de comunicação social antes do 25 de abril. A sua vida jornalística continuou depois no semanário O Jornal, no semanário Se7e e revista Visão. Foi galardoada com o prémio Gazeta de Mérito em 2006, tendo falecido em 2009.

Carla Baptista: Professora associada da UNL – FCSH, lecionando no Departamento de Ciências da Comunicação. É investigadora do ICNOVA e jornalista freelancer. As suas áreas de interesse são a história dos media e do jornalismo, media e género, media e política e media e cultura. Publicou vários livros sobre estas temáticas.

 

Comissão Organizadora

Isabel Araújo Branco (CHAM)
 

Organização

CHAM / NOVA FCSH

 

 

 

Programa 2021/2022 (pdf)

 

Mais informações (web)