Teresa Nobre de Carvalho


 

Investigadora Integrada Doutorada   .   Bolseira de Pós-Doutoramento da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa

 

Contacto

tercarvalho@gmail.com
 

Grupo de Investigação

Cultura, história e pensamento ibéricos e ibero-americanos
 

Áreas de Investigação

História da Ciência (séculos XVI-XVII)

História da Botânica

Circulação do saber médico-botânico

Circulação global de plantas

Ilustração botânica

 

ORCID

0000-0002-5294-4068

 

É investigadora integrada no CHAM ). É bolseira de Pós-Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia com um projecto no qual analisa a aquisição, apropriação e circulação do saber relativo ao ananás – Ananas comosus – nos séculos XVI-XVIII. Na sua investigação examina ainda os desafios científicos, ambientais e culturais provocados pela circulação e aclimatação transcontinental deste fruto tropical.

 

É doutorada em História e Filosofia das Ciências (Universidade de Lisboa, 2013) com uma dissertação sobre o impacto da obra de Garcia de Orta, Colóquios dos Simples e Drogas e Cousas Medicinais da Índia (Goa, 1563), na Ciência da Idade Moderna. É licenciada em Engenharia Agronómica (ISA/UTL, 1987) e mestre em Protecção Integrada (ISA/UTL, 1996).

 

É autora de numerosas publicações e conferências sobre os temas da sua investigação. A versão da tese de doutoramento – Os desafios de Garcia de Orta. Colóquios dos Simples e Drogas da Índia (Lisboa: Esfera do Caos, 2015) foi distinguida com uma menção honrosa do Prémio “Almirante Teixeira da Mota” (Academia de Marinha, 2014).

 

Colaborou na organização e  curadoria, de diferentes exposições, de entre as quais se destacam: 360º - Ciência Descoberta (Fundação Calouste Gulbenkian, 2013); As flores do Imperador. Do Bolbo ao tapete (Fundação Calouste Gulbenkian, 2018) e O mundo visto dos Oceanos: A primeira viagem à volta do mundo traçada pelas colecções da Sociedade de Geografia de Lisboa (Sociedade de Geografia de Lisboa, 2019).

 

Os conteúdos desta página são da responsabilidade do investigador.