Seminário Permanente16.12.2021
Leitura e formas de escrita
16h00 | Auditório da Biblioteca Nacional de Portugal e online A cultura escrita no Atlântico português: os gabinetes portugueses de leitura do Brasil. análise do espólio manuscrito e literário: Recife, Belém, Salvador e Maranhão, por João Costa (CHAM)

 

Os Gabinetes Portugueses de Leitura, tenham eles a formalização estatutária de “gabinete” ou de “grémio”, representam instituições de referência para o entendimento de um período histórico (séculos XIX-XX) crucial para as histórias de Portugal e Brasil. Fundados nos meados do século XIX por iniciativa particular, nomeadamente por uma classe burguesa, empresarial, letrada (ou que buscava esse fito), pretendiam estabelecer assim polos de ensino, de formação cultural e erudita, simultâneos à fundação de instituições que aproximavam os emigrantes portugueses, a título individual e empresarial, à pátria natal.

O seu devir acompanhou de perto as vicissitudes independentistas no Brasil e, mais tarde, o processo ditatorial, assim como foram espectadores activos dos alvores do Liberalismo Constitucional português, das lutas fragmentárias entre liberalistas e miguelistas e de consecutivas alterações de regime – monarquia, república, ditaduras.

Mais do que simples agremiações ou centros de leitura, estas instituições assumiram-se como marcos da cultura e da presença institucional portuguesas no Brasil, sempre em paralelismo e entreajuda com as delegações consulares nacionais, mas não uma presença de sentido colonial, impositiva, mas sim de integração da comunidade portuguesa na brasileira, como muito bem demonstra a sua documentação administrativa corrente.

 

Investigador do CHAM/NOVA e do CEH-NOVA. Doutor em História Medieval pela NOVA/FCSH (2016), com a tese Palmela. O espaço e as gentes (séculos XII-XVI). Assistente de investigação em vários projectos internacionais: Açúcar em Águas revoltas: cristãos-novos e judeus. Brasil, Portugal e Holanda e o comércio do açúcar – 1595-1618 (2010-2011), Portugal in the Sea of Oman (2008-2017); e Portugal and UAE. Then and now (2017). Investigação tem incidido sobretudo, para período medieval, no território da península de Setúbal (Palmela, Sesimbra e Aldeia Galega do Ribatejo) e, para período Moderno, no próximo-Oriente (Península Arábica). Actualmente responsável pelos projectos: A Misericórdia de Aldeia Galega do Ribatejo, das origens à implantação da República (entidade promotora: Misericórdia de Montijo); Inventário de Fontes para a História de Lagoa (entidade promotora: Câmara Municipal de Lagoa). Actualmente a desempenhar funções enquanto investigador contratado pelos National Archives de Abu Dhabi, no âmbito de pesquisa histórica sobre a História do Golfo e da Península Arábica. Obras já editadas: Os Forais de Setúbal – 1249|1514 (2015); A Misericórdia de Aldeia Galega do Ribatejo. 1571-1910, vol. I (2020).

. ID da reunião: 812 8743 0134
. Senha de acesso: 027280

 

Comissão Organizadora

Daniel Melo (CHAM)
Patrícia Santos Hansen (CHAM)
 

 

Organização

Grupo de Investigação «Leitura e formas de escrita»

 

Parceria

Grupo de Investigação «Cultura, história e pensamento ibéricos e ibero-americanos»

Biblioteca Nacional de Portugal

 

 

Cartaz (.pdf)

Abstract (.pdf)