Seminário Permanente17.03.2022
Leitura e formas de escrita
16h00 | Auditório da Biblioteca Nacional de Portugal e online Iconografia religiosa na América portuguesa e a influência de quatro manuais devocionais impressos em Lisboa entre 1670 e 1790 (existentes na BNP)», por Camila Santiago (Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia)

 

A Igreja Tridentina fezintenso uso da imprensa como meio de divulgação dos seus preceitos, dogmas,doutrinas e estimados comportamentos decorosos. A produção e difusão de livroscatólicos intensificaram-se nos séculos XVI, XVII e XVIII, motivadas por diferentessegmentos da hierarquia eclesiástica. A literatura religiosa diversificou-seconforme os seus objectivos e temas, abrangendo livros litúrgicos, de teologiae história sagrada, bíblias, manuais devocionais, entre outros. Os livrosvisavam os seus intentos doutrinários através de leituras (em silêncio,oralizadas, individuais ou colectivas) e ampliavam os seus escopos sociais deactuação ao serem usados como orientadores iconográficos pelos agentesenvolvidos na ornamentação de igrejas e capelas. Os livros ilustrados ofereciamas suas gravuras como modelos, especialmente para os pintores. As obras que nãotinham imagens forneciam, para os artífices, narrativas e passagens da históriasagrada que ganhavam versões visuais verossímeis.

A conferência abordará acirculação de livros religiosos na América portuguesa e os usos que deles foramfeitos pelos pintores. Analisará a imitação de gravuras e a utilização dostextos como fontes de informação iconográfica. Neste último aspecto, elegerácomo objectos principais quatro manuais devocionais destinados aos irmãos daOrdem Terceira do Carmo do mundo português, impressos em Lisboa entre 1670 e1790, existentes no acervo da Biblioteca Nacional de Portugal, e a suainfluência no programa iconográfico da Capela da Ordem Terceira do Carmo deCachoeira, no Recôncavo da Bahia. O enfoque incidirá sobre 12 quadros pintadosna segunda metade do século XVIII que representam santos que foram terceiroscarmelitas, todos mencionados num desses livros.

 

Camila Santiago é licenciadae mestre em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutora em História pela mesma instituição, com período de estágio sanduíche na Universidade Nova de Lisboa.  É Professora Associada do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal doRecôncavo da Bahia e membro da Cátedra UNESCO/UFMG-DRI «Territorialidades e Humanidades: a Globalização das Luzes». Actualmente realiza estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, com período de investigação junto ao CHAM, Universidade Nova de Lisboa. Desenvolve pesquisas nas áreas de História do Brasil Colónia e História da Arte, focando-se principalmente nos seguintes temas: livros religiosos, livros ilustrados, gravuras e pinturas. É coautora do livro As igrejas de Cachoeira: história,arquitetura e ornamentação e autora de A Vila em Ricas Festas:celebrações promovidas pela câmara de Vila Rica (1711-1744), além de capítulos de livros e artigos.

 

 

Comissão Organizadora

Daniel Melo (CHAM)
Patrícia Santos Hansen (CHAM)
 

 

Organização

Grupo de Investigação «Leitura e formas de escrita»

 

Parceria

Grupo de Investigação «Cultura, história e pensamento ibéricos e ibero-americanos»

Biblioteca Nacional de Portugal

 

 

Cartaz (.pdf)

Abstract (.pdf)